Cerca de 500 funcionários da Porcelanas Schmidt, em Campo Largo, fecharam por 40 minutos a pista sentido Curitiba da BR-277 no final da tarde de ontem. A empresa decidiu afastar todos os funcionários há 15 dias e já atrasa salários e vales há dois meses.

De acordo com Divonzir Batista, 40 anos, na empresa há três anos, desde que ele foi contratado o departamento financeiro desconta o Fundo de Garantia por Tempo de Serviço (FGTS) do salário, mas não deposita na Caixa Econômica Federal. O Programa de Integração Social (PIS) também não teria sido repassado. A Tribuna procurou representantes da matriz, mas não obteve resposta.