Com a proximidade do Natal e Ano Novo, o movimento no comércio cresce consideravelmente e alguns estacionamentos aproveitam para aumentar os preços nesta época. Motoristas reclamam desses reajustes e dizem que em muitos locais faltam vagas. A região central apresenta os maiores valores. O Departamento de Proteção e Defesa do Consumidor do Paraná (Procon/PR) afirma que a lei não regulamenta esse tipo de cobrança e pouco pode fazer.

A opinião é unânime. Quanto mais próximo do Centro, mais caro é o estacionamento. Um dono de estabelecimento confirmou a informação. “Se você vai se afastando para os bairros, os preços abaixam bastante. Existe estacionamento que cobra R$ 2,50 a hora”. Já na região central, a hora gira em torno de R$ 8 a R$ 10. O preço da diária também é semelhante em vários locais e vai de R$ 20 a R$ 30. Um motorista, que não quis se identificar, se espantou com os preços. “Estou em Curitiba há dez dias e fiquei espantado. Mas se procurar, consegue pagar um pouco mais barato”. Ele ainda disse que está estudando tornar-se mensalista porque o local que utiliza oferece um programa de benefícios com pontuação. Sobre a falta de vagas, a justificativa é que muitos estacionamentos do Centro têm grande quantidade de mensalistas, que ocupam mais da metade da capacidade.

Questionada sobre o aumento dos preços, a coordenadora do Procon/PR, Claudia Silvano, explica que não existe teto para os preços. “A legislação não estabelece parâmetros ou um valor máximo. Não tem como controlar direito”. Outra reclamação dos usuários é com relação à forma de cobrança. Cláudia explica que na primeira hora a fração mínima é de 30 minutos. A partir da segunda hora, a fração cai para 15 minutos.