Voltar ao mercado de trabalho depois de ganhar um bebê é complicado. Nesta hora surgem diversas dúvidas sobre o local mais adequado para deixar os pequenos. Segundo médicos e educadores, os pais precisam ficar atentos à higiene do local para evitar a transmissão de doenças e também a atenção que a escola ou berçário dispensa ao desenvolvimento afetivo e cognitivo da criança.

Segundo o médico pediatra que é diretor clínico do Hospital Pequeno Príncipe, Donizetti Giamberardino, o ideal é mandar para a escolinha só crianças com mais de dois anos de idade. Mas como isso é impossível para muitas mães, a situação pode ser amenizada com a escolha de um bom lugar.

O médico dá dicas que devem ser observadas. As mães devem verificar quantas pessoas vão estar atendendo cada criança. Sendo bem tolerante, ele diz que o máximo são cinco bebês para cada atendente. “Nessa fase eles têm uma necessidade afetiva muito grande”, explica. Além disto, quanto mais crianças para uma pessoa cuidar, mais chances existem de ocorrer acidentes.

De acordo com o pediatra, crianças que passam grande parte do tempo nesses locais pegam com mais facilidade gripes e resfriados. “Mas isso não é culpa de quem cuida”, afirma. Porém os pais devem observar o cuidado dispensado com a ventilação do local. Outra medida importante é verificar se as pessoas que manipulam os bebês têm os cuidados higiênicos necessários. Uma das patologias mais comuns da falta de higiene é o aparecimento de “sapinho” na boca e até assaduras.

Também é necessário prestar atenção se a escola tem uma política voltada para a prevenção de acidentes, como mesas sem canto e a inexistência de brinquedos pontiagudos. Outro procedimento que deve ser adotado pela escola é a dificuldade de acesso que os pequenos devem ter para chegar até a cozinha. “A maioria dos acidentes ocorre lá”, conta Donizetti. Outro item essencial é a escola ter um convênio médico. Vale ainda conversar com outros pais que já têm filhos na unidade.

Atividades educativas

Os pais também devem ficar atentos ao trabalho educativo e afetivo feito com os bebês. Na Escola Raio de Sol as crianças recebem muitos estímulos, conforme a sua fase de desenvolvimento. Entre as diversas atividades os bebês são estimulados a engatinhar com ajuda de espumas e os que aprendem a andar partem para desenvolver o equilíbrio andando sobre linhas. Participam ainda de atividades com espelhos e músicas para identificar o próprio corpo, além de realizar atividades com as cores. “Geralmente as crianças que estão conosco desde pequenas têm mais facilidade para resolver as situações que aparecem”, diz Denise Schmidlin Cruz, uma das proprietárias do estabelecimento.

Outro item que também deve ser observado é se a escola respeita o ritmo individual de cada criança, para que a adaptação ao lugar seja mais fácil. “Se ela é acostumada a dormir de tarde, é de tarde que ela deve dormir”, explica Denise. Ela também aconselha os pais a fazerem visitas periódicas para se certificar do que ocorre na escola.