A decisão do governo de corrigir as Gratificações de Encargos Especiais (GEEs) e estender o benefício a todos os servidores da Secretaria Estadual de Agricultura e Abastecimento (Seab) foi bem recebida pelos grevistas, porém, não conseguiu encerrar ainda ontem a paralisação. A incerteza sobre os novos valores da gratificação levou o comando de greve a pedir um maior detalhamento da aplicação dos 35,18% de correção sobre o montante a ser recebido pelas três categorias de funcionários da Seab (apoio, execução e profissional). Por isso, foi marcada para hoje, às 10h, uma nova reunião na Secretaria de Administração e Previdência (Seap), onde será concretizada a proposta para os 290 servidores em greve.

De acordo com o dirigente do Sindicato Estadual dos Servidores Públicos da Agricultura, Meio Ambiente, Fundepar e Afins ( SindiSeab), Roberto Carlos Andrade e Silva, são os “valores concretos” que mostrarão à categoria se o governo passará a dispensar um tratamento igualitário em todo o quadro da Seab. “A falta de isonomia foi o ponto de partida de toda a mobilização, ou seja, somente com dados concretos que mostrem o fim dessas diferenças que a greve poderá ser encerrada”.

Da reunião na Seap sairá uma proposta que será avaliada pelos servidores em assembleia às 15h. A greve desses funcionários atinge diretamente o trâmite de 500 solicitações de convênios com diversas prefeituras do Paraná. Também afeta a quantia de ICMS mensalmente repassada aos municípios.