A Catedral Basílica Menor de Curitiba, na praça Tiradentes, o marco zero da cidade, será restaurada com recursos de potencial construtivo. O anúncio foi feito pelo prefeito em exercício Tito Zeglin nesta sexta-feira (19), durante reunião com os administradores da Catedral e técnicos da Prefeitura.

Potencial construtivo é a possibilidade de comercialização, pelo proprietário de um imóvel, do direito de construção para além da metragem permitida pela legislação municipal de zoneamento e uso do solo urbano. O decreto municipal que possibilitará a captação de recursos, aproximadamente R$ 4 milhões, será assinado nas próximas semanas.

“A Catedral Basílica é um patrimônio histórico que está no coração da cidade, ao lado de outros espaços já revitalizados como o Paço Municipal e a Praça Tiradentes. A Prefeitura dará todo apoio necessário para que essa restauração aconteça. Será mais uma obra importante dentro do programa de revitalização da região central de Curitiba”, destacou Zeglin.

A classificação da Catedral como Unidade de Interesse Especial de Preservação, desde a década de 90, permite que o Município negocie com o mercado imobiliário cotas de potencial construtivo, captando recurso e transferindo para o proprietário do imóvel restaurado, no caso, a Cúria Metropolitana de Curitiba.

“A Prefeitura está fazendo as coisas acontecerem nessa região, e a Catedral será mais uma das grandes obras que ajudará a melhorar significativamente a imagem da área do marco zero, beneficiando fiéis e turistas que passam por aqui diariamente”, disse o padre Genivaldo Ximendez, responsável pela Catedral Basílica de Curitiba.

Reformas – A Catedral Basílica de Curitiba foi inaugurada em 1860, e teve apenas três reformas simples, em 1975 e 1993. O atual projeto prepõe um restauro minucioso e integral do teto ao piso que acabe com os problemas de infiltrações, com modernização da parte elétrica e hidráulica, recuperação das pinturas. As tribunas, hoje deterioradas, serão recuperadas para uso pleno do espaço. A acessibilidade é outra necessidade contemplada no projeto.

“O potencial construtivo é um instrumento legítimo usado na recuperação de grande parte do patrimônio arquitetônico da cidade, mas a boa vontade da Prefeitura é fundamental nesse processo, e é o que vemos acontecer aqui”, falou a arquiteta Giseli Portela, que assina o projeto de restauro da Catedral.

Participaram da reunião na Catedral Basílica a secretária municipal de Urbanismo, Sueli Hass, e o administrador da Regional Matriz, Luiz Hayakawa.