Até a metade do ano que vem, o Caminho de Itupava deve ser restaurado e aberto para visitação pública. A estrada com 22 quilômetros de extensão foi aberta por volta de 1625 e servia para ligar o primeiro planalto ao litoral. Além de um passeio agradável pela mata, os turistas vão poder conhecer um pouco da história através dos sítios arqueológicos dispostos ao longo do caminho. O governo do Estado está investindo R$ 1,1 milhão.

O secretário de Estado do Meio Ambiente, Luiz Eduardo Cheida, disse que foram feitos vários estudos no local e encontrados sítios arqueológicos com pedaços de garrafas e vasos de barro, pontas de flechas, parte da pavimentação original e vestígios de pontes. O material já foi classificado e, por enquanto, vai ficar em exposição em museus. Mas os turistas vão encontrar indicações pelo caminho sobre a localização dos sítios e também informações sobre a vida de quem passou ou viveu nas pousadas ao longo da estrada há cerca de 400 anos.

O caminho começa na cidade de Quatro Barras e termina em Porto de Cima, em Morretes. Para percorrê-lo, o visitante vai precisar de muita disposição. O percurso é íngreme, tornando a caminhada lenta, com duração média entre cinco e seis horas. Mas a paisagem compensa. É possível presenciar florestas em regeneração (faixa de maior expressão) e até um pouco de floresta primária.

Licitação

O processo de licitação do local está na fase inicial. Cheida explica que durante a limpeza e pavimentação com o mesmo material são tomados muitos cuidados para preservar a história. Também vão ser construídas cinco pontes e estacionamentos no início e no fim do caminho. Além disso, haverá postos para fiscalização da visitação.