O presidente do Sindicato Nacional dos Trabalhadores em Proteção ao Vôo, Jorge Botelho, disse hoje que o espírito, tanto dos civis quanto dos militares, é de negociação. Ele ressaltou que o motim feito pelos controladores militares na última sexta-feira foi inevitável. Botelho e controladores de vôo se reúnem hoje com o ministro do Planejamento, Paulo Bernardo.

"Foram dados vários alertas ao governo que a coisa podia se complicar. Avisamos que a temperatura estava crescendo e que a qualquer momento não se poderia suportar a pressão. O movimento fugiu do controle das associações", afirmou o presidente do sindicato.

Botelho disse ainda que um dos principais pontos a serem discutidos na reunião com Paulo Bernardo diz respeito ao regime de trabalho da categoria. Segundo ele, é preciso acabar com os quatro regimes de trabalho existentes hoje e que diferenciam os controladores civis dos militares. O presidente do sindicato disse ainda que os controladores civis do Rio de Janeiro e de Brasília estão em estado de greve. Apesar dessa situação, ele ressaltou que o clima é de tranqüilidade e que não há pressão, tendo em vista o feriado da Páscoa.