O Brasil tem capacidade de produzir entre 5 e 6 milhões de sacas de 50 kg de sementes transgênicas de soja resistente ao glifosato para a próxima safra, caso o projeto de lei que autoriza o plantio de organismos geneticamente modificados seja aprovado no Congresso Nacional até setembro. De acordo com o presidente da Associação Brasileira de Sementes (Abrasem), Ywao Miyamoto, quatro empresas e entidades de pesquisa – Embrapa, Monsoy, Coopetec e Pioneer – têm hoje 200 mil sacas de sementes prontas para multiplicar

“Essas empresas foram autorizadas pela última Medida Provisória (MP) do governo que liberou o cultivo e a multiplicação de sementes e poderão fornecer os grãos para serem plantados em até 30% de toda a área cultivada no País”, disse Myamoto. No entanto, de acordo com ele, se a lei não for aprovada até setembro a multiplicação destas sementes pode ser prejudicado, pois o governo sinaliza o fim da edição de novas MPs.

“É importante lembrar que as sementes têm de ser plantadas entre outubro e novembro. Sem uma legislação, isso será impossível”, disse. Para esta safra, Miyamoto admite que será novamente impossível impedir o plantio de soja transgênica. “A meta agora é fazer com que aumente o número de agricultores que admitem o cultivo e que se dispõem a pagar royalties.”