O presidente nacional da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), Roberto Busato, afirmou que o atual Congresso talvez seja o mais vergonhoso da história do País. De acordo com ele, a CPI dos Sanguessugas revelou que a atual legislatura "é, talvez, a mais vergonhosa da história da República, pela extensão do comprometimento do Congresso Nacional com a Máfia das Ambulâncias".

Busato disse que a CPI, ao investigar grande quantidade de parlamentares, colocou "um ponto final de um período negro do Congresso Nacional". "É um absurdo o que aconteceu no País", afirmou o presidente da OAB. A ordem de prisão dos investigados foi baixada pela ministra Eliana Calmon, do Superior Tribunal de Justiça (STJ).

No Supremo Tribunal Federal (STF), atualmente tramitam sob segredo de Justiça 57 inquéritos para investigar o esquema dos sanguessugas, suspeito de fraudar licitações para compra de ambulâncias. Relator dos inquéritos, o vice-presidente do STF, Gilmar Mendes, resolveu manter em sigilo as apurações por considerar que "tais medidas são imprescindíveis para se assegurar a eficácia das investigações criminais que no momento estão sendo realizadas".

Rondônia

Além de comentar o esquema dos sanguessugas, o presidente da OAB classificou como um descalabro da vida pública brasileira o escândalo ocorrido no Estado de Rondônia. Na semana passada, autoridades foram presas numa investigação que apura desvio de milhões de reais dos cofres públicos. "É o exemplo maior da impunidade e da corrupção generalizada deste país", afirmou Busato. "Parece que o clima de corrupção que se instalou em Brasília acabou se espraiando e lá em Rondônia encontrou campo fértil", disse.

"Nunca vi e perguntei aos mais antigos da OAB, que afirmaram também nunca terem visto, um presidente de TJ ser preso em flagrante, o presidente da Assembléia ser preso, o candidato a vice-governador preso, membros do Ministério Público presos, membros do Tribunal de Contas presos", concluiu.