O governo federal começou um trabalho para ampliar o desenvolvimento regional dos municípios do Paraná que fazem fronteira com os países do Mercosul. Em encontro com o secretário da Indústria, do Comércio e Assuntos do Mercosul, Luis Mussi, entidades representativas dos municípios paranaenses definiram uma parceria com o governo estadual para a execução das políticas públicas de forma conjunta.

Segundo o secretário, o governo federal vai promover ações setoriais visando reduzir a dispersão e a multiplicidade de esforços para dar eficiência aos municípios considerados estratégicos para a integração do Mercosul. ?Cabe ao governo estadual a mediação junto aos municípios paranaenses?, afirma Mussi.

Ao lado de Mussi e da equipe técnica do governo estadual, estiveram reunidos o presidente da Associação dos Municípios do Paraná (AMP), Joarez Lima Henrichs, o presidente do Fórum de Desenvolvimento da Mesorregião Grande Fronteira do Mercosul (Fórum MesoMercosul) e diretor da Agência de Desenvolvimento Regional do Sudoeste do Paraná, Célio Wessler Boneti; e o presidente da Agência de Desenvolvimento Regional do Sudoeste do Paraná, Afonso Cláudio Levinski.

Para o coordenador de Assuntos Internacionais e do Mercosul do governo do Paraná, Santiago Gallo, o objetivo da reunião foi buscar antecipadamente detalhes dos programas federais e já unir esforços. ?Os programas regionais resultam da compatibilização de ofertas de 21 ministérios e secretarias especiais e vão permitir uma ampla intervenção no Paraná para garantir as demandas prioritárias já identificadas?, diz Gallo.

Reunião no Sudoeste

Na próxima quinta-feira (14), haverá em Francisco Beltrão, no Sudoeste do Paraná, uma reunião com os prefeitos de municípios fronteiriços, representantes do Ministério de Integração Nacional e dos governos estaduais do Paraná e Santa Catarina.

Durante o encontro, será discutido o apoio aos municípios localizados nas regiões de fronteira. O coordenador de Promoção Industrial e Comercial do governo do Paraná, Jorge Guerra, informa que serão pautados os pleitos dos municípios, além de sugestões para o programa antes do lançamento oficial do programa.

?Há a necessidade de as prefeituras também serem orientadas para que possam apresentar projetos consistentes, estruturados, pois serão eles submetidos à análise do governo federal?, diz Guerra.