Uma agência internacional de assistência médica afirma que o Zimbábue, agora em meio a uma epidemia de cólera, poderá em breve sofrer com outras doenças, um surto de aids e os efeitos ampliados da desnutrição.

Em um comunicado feito hoje em Johanesburgo, na África do Sul, a organização não-governamental Médicos Sem Fronteiras (MSF) afirmou que o cólera é apenas a evidência mais visível do colapso do sistema de saúde do Zimbábue.

A MSF pede aos doadores internacionais e ao governo do Zimbábue que façam mais para evitar as epidemias. O país tem o maior índice de inflação do mundo e agudo desabastecimento de várias mercadorias e alimentos. A epidemia de cólera já matou mais de 3,5 mil pessoas desde agosto do ano passado.