O ministro de Relações Exteriores da França, Laurent Fabius, disse que a União Europeia (UE) adiar, por enquanto, a adoção de novas sanções contra a Rússia e separatistas que o país apoia na Ucrânia. O bloco vai esperar os resultados das negociações de paz em vigor para tomar uma decisão.

Fabius disse que a necessidade de mais sanções será avaliada nesta segunda-feira. Ele afirmou que “o princípio das sanções é mantido, mas a aplicação vai depender o que acontecer (nas negociações)”.

Ministros de Relações Exteriores da UE apoiam os novos esforços diplomáticos para encerrar o conflito na Ucrânia, mas se esquivaram dos pedidos de alguns políticos norte-americanos para fornecer armas defensivas para Kiev.

Os ministros da UE também avaliavam a possibilidade de expandir as sanções do bloco contra separatistas e cidadãos russos, mas adiaram o anúncio após os últimos acontecimentos na frente diplomática no final de semana.

A chanceler alemã Angela Merkel, o presidente francês François Hollande, o presidente russo Vladimir Putin e o presidente ucraniano Petro Poroshenko devem se reunir na quarta-feira em Minsk, Bielorrússia.

O ministro de Relações Exteriores alemão Frank-Walter Steinmeier afirmou que diplomatas de todos os lados envolvidos estavam reunidos a portas fechadas em Berlim nesta segunda-feira para tentar fazer com que as discussões avancem. “Esperamos que as questões mais importantes possam ser resolvidas de forma que a reunião em Minsk traga expectativas e possa levar às primeiras medidas para neutralizar a situação e levar a um cessar-fogo”, declarou ele a repórteres em Bruxelas. Ele, acrescentou, no entanto, que “nada está certo ainda…há muito trabalho duro a ser feito”.

Enquanto o debate continua em Washington sobre o envio ou não de armas para as Forças Armadas ucranianas, a maioria dos ministros da UE diz que agora não é hora para arriscar uma intensificação das tensões.

O Reino Unido também pretende adia a medida, por enquanto. “O Reino Unido não pretende enviar armamentos letais para a Ucrânia neste momento”, declarou o secretário de Relações Exteriores Philip Hammond.

A expectativa era que os ministros de Relações Exteriores da UE aprovassem proibições de vistos e congelamento de ativos para mais 19 pessoas, dentre elas cinco russos, incluídos numa lista de sanções relacionada aos combates no leste ucraniano. Mas a decisão imediata não aconteceu.

“A lista foi preparada, isso é bom”, declarou o ministro de Relações Exteriores russo Bert Koenders.

Atualmente, a UE proíbe a concessão de vistos e congelou ativos de 132 pessoas e 28 organizações, a maioria companhias e grupos separatistas no leste da Ucrânia não reconhecidos pelo Ocidente. A nova lista de possíveis sanções econômicas foi formulada por agências da UE. Fonte: Associated Press.