O Partido Trabalhista do Reino Unido, atualmente no governo, ficou em terceiro lugar nas eleições do país para o Parlamento Europeu, de acordo com projeções da BBC e do canal de televisão Sky News. O resultado é mais um revés para o primeiro-ministro do país, Gordon Brown, em um momento no qual ele resiste a pedidos de renúncia. Os resultados das eleições, realizadas na quinta-feira no Reino Unido, refletiam uma forte votação de protesto contra os partidos no poder, à luz da crise financeira e do escândalo de despesas de parlamentares no país.

O Partido Trabalhista de Brown conseguiu apenas 16% dos votos britânicos para o Parlamento Europeu, segundo a BBC e a SkyNews, marcando o menor apoio ao partido desde a Primeira Guerra Mundial. O Partido da Independência Britânico, ou UKIP, – que tem restrições quanto ao sucesso do bloco europeu – obteve 17% dos votos, e o principal partido de oposição, o Partido Conservador, angariou 27% dos votos. Os Liberais Democratas ficaram em quarto lugar, com 14%. A contagem inclui Inglaterra, País de Gales e Escócia. Não foram computados os votos da Irlanda do Norte.

Em um desdobramento significativo, o Partido Nacional Britânico (BNP), de extrema direita, conquistou duas cadeiras no Parlamento Europeu. Andrew Brons ganhou com os votos em Yorkshire e no distrito Humber, enquanto o líder do partido, Nick Griffin, foi eleito no noroeste da Inglaterra. Em seu discurso de vitória, Griffin disse que estava “absolutamente satisfeito” e acrescentou que “isso será uma enorme mudança na política britânica”. Em mais um sinal de divisão do Partido Trabalhista, Brown pediu que a ministra de Agricultura e Ambiente, Jane Kennedy, renuncie, após ela ter afirmado que não poderia pessoalmente prometer lealdade ao primeiro-ministro. O gabinete dela não estava disponível para comentar.

A vice-líder do Partido Trabalhista, Harriet Harman, afirmou hoje cedo à BBC que o resultado europeu era “uma derrota ruim para nós”. Mas ela também disse que Brown era o homem certo para o cargo e continuaria assumindo responsabilidade pela economia, pela questão das despesas e por outros problemas que o Reino Unido enfrenta neste momento.

Com o Partido Trabalhista perdendo para os conservadores e com as eleições gerais programadas para no máximo até a metade do próximo ano, surgem comentários de uma possível rebelião contra Brown por parlamentares trabalhistas que temem perder suas cadeiras. Brown realizou amplas mudanças em seu governo na sexta-feira e disse que vai ficar no cargo. Ele deve se reunir hoje com parlamentares trabalhistas, no que poderá ser um momento crucial para o futuro do premier. As informações são da Dow Jones.