O partido da líder de oposição em Mianmar Aung San Suu Kyi afirmou hoje que as eleições marcadas para o mês que vem irão apenas “prolongar a ditadura militar” no país. A agremiação qualifica as regras da disputa como “totalmente injustas”. “Esta eleição será realizada para prolongar a ditadura militar e confirmar a Constituição de 2008”, afirmou a Liga Nacional pela Democracia, em comunicado.

O partido venceu com folga as eleições em 1990, mas nunca teve permissão para assumir o poder. Foi ainda banido das atividades políticas, após decidir boicotar o voto de 7 de novembro, o primeiro no país em 20 anos. Vencedora do Nobel da Paz em 1991, a ativista Suu Kyi está em prisão domiciliar. As informações são da Dow Jones.