O candidato democrata à presidência dos Estados Unidos, Barack Obama, elogiou os esforços do secretário do Tesouro americano, Henry Paulson, e do presidente do Federal Reserve Bank, Ben Bernanke, para reagir à atual crise financeira enfrentada pelo país. A declaração de Obama foi feita nesta quinta-feira (18) à noite após Paulson e Bernanke apresentarem no Congresso americano um plano para conter a crise.

O democrata afirmou que tem mantido contato freqüente com Paulson e Bernanke. Segundo Obama, o secretário do Tesouro e o presidente do Fed estão atuando acima das diferenças políticas. Ele aproveitou também para alfinetar seu rival na disputa pela Casa Branca, o republicano John McCain.

“É essencial que nesse momento os mercados e o público tenham a confiança de que seu trabalho não será prejudicado por desavenças políticas e que os líderes de ambos os partidos trabalhem em conjunto para solucionar a crise”, declarou Obama, que é senador pelo Estado de Illinois.

Na opinião de Obama, no entanto, qualquer plano do governo deve ter caráter temporário e ser mais rigoroso com Wall Street. Além disso, os EUA deveriam guiar outras grandes economias “numa resposta internacionalmente coordenada à presente crise, assim como numa maior cooperação regulatória para impedir crises semelhantes no futuro”.

Para Obama, o apoio do governo Bush a Wall Street deve também englobar o apoio aos americanos comuns. “Há muito tempo, esse governo busca soluções rápidas para ajudar as empresas de Wall Street e demora quando se trata de permitir que os cidadãos mantenham seus empregos e que as famílias não percam suas casas” acusou.

A Casa Branca anunciou que o presidente George W. Bush autorizou o Tesouro a fornecer US$ 50 bilhões para dar garantia de liquidez aos fundos mútuos de mercados monetários, onde estão depositadas as economias e as aposentadorias de muitas famílias americanas.