Cinco pessoas foram mortas e pelo menos 22 ficaram feridas em Taez, no Iêmen, segundo informaram hoje funcionários do setor de segurança e fontes tribais. O coronel Ahmed Rezaz e dois de seus colegas foram mortos em uma emboscada realizada por membros armados de tribos da oposição.

Testemunhas disseram que quatro membros de tribos e três civis ficaram feridos na emboscada, na área de Sharab al-Rona, em Taez. Separadamente, fontes tribais disseram que dois civis foram mortos e pelos menos 22 se feriram em um tiroteio também em Taez, realizado por Guardas Republicanos durante confrontos com a oposição.

O confronto começou na noite de ontem, entre membros da guarda leal ao presidente Ali Abdullah Saleh e integrantes das tribos, que desde janeiro pressionam pela deposição do líder. Os disparos se concentraram nos bairros de Al-Rawda e Osaifra. Testemunhas disseram que houve pânico generalizado em Taez.

Ativistas contrários ao regime apelaram por mais protestos, após um influente clérigo, xeque Abdel Majid al-Zindani, pedir o estabelecimento de um Estado islâmico no país. Dezenas de milhares de manifestantes contrários ao regime rezaram na Praça da Universidade, o epicentro dos protestos contra Saleh, porém não ficaram muito tempo no local, segundo um correspondente da France Presse.

Partidários de Saleh convocaram manifestações agradecendo a Arábia Saudita por receber o presidente, que está hospitalizado no país há mais de um mês, após ser ferido durante um ataque a bomba no palácio. Dezenas de milhares de pessoas foram às ruas apoiar o regime. As informações são da Dow Jones.