O governo populista da Itália criticou o grupo de ajuda humanitária Lifeline, que resgata imigrantes no Mar Mediterrâneo, e proibiu que embarcações da ONG atraquem em portos do país.

A ONG disse neste sábado que foi solicitado pelo centro de coordenação da guarda costeira italiana a ajuda para o resgate de 118 imigrantes. Uma das embarcações da entidade ajudou a transferir os migrantes para um navio mercante com bandeira de Cingapura, o Viking Amber, e permaneceu no mar como costuma fazer para qualquer resgate subsequente, segundo o cofundador da Lifeline, Axel Steier.

O novo ministro do Interior da Itália, Matteo Salvini, no entanto, atacou os grupos de ajuda humanitária de imigrantes, que ele acusa de operar como serviços de táxi para traficantes de seres humanos.

Em um post no Facebook, Salvini, expoente da extrema-direita italiana, disse que o Lifeline e o navio Seefuchs, do grupo alemão Sea-Eye, não poderiam mais atracar na Itália. Fonte: Associated Press.