Centenas de pessoas saíram às ruas de Pristina nesta terça-feira (17) para celebrar o primeiro aniversário da declaração de independência do Kosovo. A população albanesa étnica da cidade entoava palavras de ordem, tremulava bandeiras e empunhava faixas com mensagens desejando “feliz aniversário”. O clima era de festa na capital kosovar, mas havia tensão no norte do território, onde vive a maior parte da minoria sérvia do Kosovo. Deputados nacionalistas sérvios prometem unir-se à população sérvia do Kosovo numa declaração que, segundo eles, invalidaria a declaração de independência de um ano atrás.

Kosovo declarou independência da Sérvia em 17 de fevereiro de 2008. Apesar de ter recebido o rápido reconhecimento dos Estados Unidos e de potências europeias como Grã-Bretanha, França, Alemanha e Itália, cinco dos 27 países da União Europeia (UE) ainda não reconheceram a iniciativa kosovar. Em escala mundial, apenas 54 países concederam reconhecimento diplomático formal, muitos deles de pouca influência no cenário internacional, como Micronésia e Ilhas Marshall.

A Sérvia recusa-se a reconhecer a independência de Kosovo, assim como a Rússia, aliada de Belgrado. Os albaneses étnicos representam cerca de 90% da população de Kosovo. A minoria sérvia da região considera Kosovo o berço de sua identidade nacional e religiosa.