A Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA) informou que o Irã produziu pelo menos 22 kg de urânio enriquecido a 20% até meados de agosto. O governo iraniano sustenta que esse urânio se destina a um reator de pesquisas médicas. Para ser usado em armas nucleares, ele precisaria ser enriquecido a cerca de 90%.

“O Irã estima que, entre 9 de fevereiro de 2010 e 20 de agosto de 2010, 20 kg de UF6 enriquecido até 20% foram produzidos” em sua unidade de enriquecimento em Natanz, diz o informe da AIEA. Segundo a agência, o urânio enriquecido “foi armazenado em um cilindro com capacidade de cerca de 25 kg e esse material está contido e sob vigilância”. Até fevereiro, o Irã enriquecia urânio a não mais de 5%.

O enriquecimento de urânio por Teerã continua, apesar da imposição de quatro rodadas de sanções econômicas pela Organização das Nações Unidas (ONU) e de sanções ainda mais rígidas impostas pelos Estados Unidos e seus aliados europeus.

O país nega as acusações de que tenha um programa nuclear com fins militares e os inspetores da AIEA não encontraram até agora nenhuma prova de que o Irã esteja desenvolvendo armas nucleares. As informações são da Dow Jones.