Pelo menos sete pessoas morreram no Iêmen, incluindo quatro policiais que entraram em confronto com uma unidade do Exército dissidente, disseram hoje fontes médicas e de segurança. O país convive com protestos diários contra o governo do presidente Ali Abdullah Saleh, que se recusa a renunciar.

“A polícia atacou um posto de controle do Exército na província de Amran”, 170 quilômetros ao norte de Sanaa, no fim do dia de ontem, “matando um oficial e ferindo dois soldados”, relatou um oficial militar em entrevista à France Presse. Os quatro policiais morreram quando forças de segurança trocaram disparos com armas automáticas e granadas propelidas por foguete em confrontos no final da terça-feira, disse ele.

No sul do país, soldados mataram a tiros hoje dois manifestantes contrários ao governo e feriram vários outros, em diferentes zonas da cidade portuária de Áden, disseram testemunhas. Segundo as fontes, o Exército abriu fogo contra manifestantes que tentavam fazer bloqueios para forçar uma greve geral. Os manifestantes se comprometeram a realizar paralisações todos os sábados e às quartas-feiras, até a queda de Saleh. As informações são da Dow Jones.