O comitê de emergência do governo britânico reuniu-se nesta quinta-feira após dois homens terem matado um soldado britânico na tarde de quarta-feira em Londres. O ataque elevou temores de que o terrorismo tenha voltado à capital britânica.

O primeiro-ministro David Cameron disse que há fortes indicadores de que a ação tenha sido um ato de terrorismo. Seus principais conselheiros analisarão as potenciais implicações de segurança após o ataque, que aconteceu perto de um quartel militar na região de Woolwich.

Nesta quinta-feira, a polícia confirmou que o homem morto era um soldado em serviço, mas sua identidade não foi divulgada, a pedido da família. Um exame para verificar as causas da morte será realizado ainda nesta quinta-feira.

Um dos homens aparece num vídeo feito por uma pessoa que passava no local durante o ataque. Ele grita declarações políticas, gesticula com as mãos ensanguentadas e balança um cutelo. A polícia feriu a tiros dos homens, que não foram identificados, e os deteve. Segundo meios de comunicação britânicos, a vítima estava usando uma camiseta com dizeres em apoio às tropas britânicas, quando foi assassinado.

A segurança foi reforçada nos quartéis militares e as autoridades disseram que estão atualizando as diretrizes para os militares. A polícia do condado de Lincolnshire, no leste da Inglaterra, disse que estão sendo realizadas revistas numa propriedade local, que pode ter sido usada no ataque em Woolwich. A polícia disse que um mandado de busca foi emitido, mas não divulgou maiores detalhes. A polícia também vasculhava o local do ataque em busca de novas pistas.

O prefeito de Londres, Boris Johnson, pediu à população da cidade que se mantenha calma. Ao deixar a reunião do comitê de segurança, Johnson pareceu indicar que o ataque é visto como um incidente isolado. “Tudo o que ouvi me faz pensar que os londrinos podem seguir suas vidas normalmente e vamos levar os assassinos à Justiça”, disse ele.

Chamando o caso de “uma assassinato terrível”, Cameron dissera mais cedo que havia “fortes indicações” de que fora um ato de terrorismo e outras duas autoridades disseram que havia sinais de que o ataque fora motivado pelo radicalismo islâmico.

O incidente aconteceu na tarde de quarta-feira, quando autoridades responderam a relatos de um ataque a poucos quarteirões do Quartel da Artilharia Real, no bairro de Woolwich.

As imagens do local mostram um carro azul, que aparentemente foi usado no ataque, com o capô amassado após a colisão com um poste de sinalização numa calçada suja de sangue. Uma série de armas, dentre elas facas de açougueiro, um facão e um cutelo, eram vistos pela rua. As informações são da Associated Press.