Centenas de pacientes são vítimas de uma falha grave em procedimentos cirúrgicos, por falta de limpeza dos equipamentos. A infecção que tem atingido diversos pacientes é provocada pela Mycobacterium abscessus, microorganismo que vive no ambiente e só causa danos quando entra no corpo humano. A infecção provoca lesões avermelhadas na pele, que se transformam em feridas. Nos pacientes com baixa imunidade, pode comprometer órgãos e levar à morte.

O superintendente de vigilância da saúde do Rio, Victor Berbara, diz que a contaminação ocorreu em 44 hospitais públicos e privados do Estado. Uma equipe do Ministério da Saúde está no Rio há um mês, investigando os casos e avaliando as medidas adotadas pelo governo estadual. Segundo o ministério, nos outros estados a doença já foi controlada.

Autoridades de saúde do Rio afirmam que a doença, que já foi chamada de surto e até de epidemia, vinda de uma bactéria rara, demorou a ser diagnosticada. No Estado do Rio, todas as notificações da doença ocorreram do fim do ano passado para cá. Já são 401 casos. O Pará tem registros desde 2003. São mais de 300. Ao todo, 91 deles foram confirmados. Em Goiás, são mais de 200 notificações e 33 delas confirmadas.