O presidente Luiz Inácio Lula da Silva comemorou hoje a aprovação, pelo Senado Federal, do projeto de lei que cria as parcerias público-privadas e fez um apelo para que o Congresso Nacional aprove o Orçamento Geral da União para 2005 até o dia 30 de dezembro. "Espero que os deputados ainda estejam aqui para completar a obra votando o Orçamento até o dia 30. Mas eu estou muito feliz, porque ontem o Senado votou o projeto das PPPs, que a Câmara vota ainda por esses dias, e eu acho que todos nós poderemos passar o Natal e o Ano Novo com a consciência tranqüila do dever cumprido", disse o presidente.

Lula reiterou o otimismo para o crescimento da economia em 2005. Ele disse acreditar que o país vai ocupar um espaço "muito maior e mais sólido" no cenário internacional no ano que vem. "Por isso, eu quero desejar Feliz Natal a todos, um feliz 2005, que pode ter certeza, vai ser melhor do que 2004. Eu vou continuar vendendo mais otimismo do que eu vendia em 2004, porque eu acho que as coisas só dão certo se a gente acreditar que vão dar certo", afirmou o presidente durante a cerimônia de anúncio da criação do Pólo de Poliéster do Nordeste, no Palácio do Planalto.

O presidente garantiu que vai fazer com que "ninguém nunca mais tenha medo de investir no Brasil", e ressaltou que o "terrorismo" feito no país antes da sua eleição à Presidência da República não se repetirá. "Eu penso que o terrorismo feito durante 2001 e 2002 desapareceu do cenário. Os números da economia com que nós vamos terminar o ano são alguns dos melhores dos últimos dez anos", afirmou.

Segundo Lula, o governo está convencido de que o Brasil só vai alcançar um patamar de país desenvolvido quando os brasileiros acreditarem no país. "E na hora em que fizermos as coisas certas. Na hora em que dermos passos do tamanho das nossas pernas, sem fazer nenhuma aventura descabida, ou seja, fazer as coisas que precisam ser feitas, olhar uma combinação de política de desenvolvimento, de crescimento, com uma forte política social. E foi para isso que fomos eleitos, e vamos fazer isso", garantiu.