O responsável pela Unidade de Crimes contra a Propriedade Intelectual da Interpol, John Newton, elogiou o trabalho que o governo brasileiro desenvolve contra a pirataria. Segundo ele, o país está se consolidando como liderança neste segmento e a Interpol deseja continuar mantendo um diálogo com o governo para ampliar o combate aos crimes dessa modalidade.

O oficial da Interpol participou da destruição de um milhão de CDs piratas no Estádio do Maracanã na manhã de hoje. O coordenador da Subcomissão de Pirataria da Câmara dos Deputados, Júlio Lopes, disse que "o importante desse evento é a presença da direção mundial de combate à pirataria da Interpol, testemunhando o avanço que o Brasil conquistou e colaborando conosco para continuar uma política permanente de combate à pirataria".

Para o deputado, o Brasil "tem demonstrado ao mundo que quando a sociedade quer, as coisas definitivamente acontecem no país". Ele destacou inda que a mobilização que tem sido feita é um exemplo para o mundo, não só com a apreensão de milhões de CDs, mas também de cigarros, remédios e de bebidas.

Segundo Lopes, a pirataria causa um prejuízo anual de US$10 bilhões à economia nacional e bloqueia a oferta de dois milhões de empregos. Em 2004, a Associação Protetora dos Direitos Intelectuais Fonográficos (Apdif) registrou a apreensão de 17,5 milhões de CDs piratas no país. Já a Associação de Defesa da Propriedade Intelectual (Adepi), que cuida da área cinematográfica, recolheu cerca de 20 toneladas de material ilegal.