Os casos de incêndios florestais em todo o Paraná ultrapassam as 1.060 ocorrências nos primeiros 15 dias do mês de agosto. Em relação ao mesmo período do ano de 2005, quando foram registrados 517 casos, esse número significa aumento de 105%. O que mais preocupa a coordenadoria estadual da Defesa Civil do Paraná, segundo o tenente Eduardo Gomes Pinheiro, é que em apenas 15 dias, já houve o equivalente a 20% das 5.448 ocorrências registradas em todo o ano passado. ?Estamos enfrentando um período de risco extremo?, alertou Pinheiro.

Os motivos que estão levando a esse número de ocorrências de incêndio em vegetação, de acordo com o tenente, são a estiagem prolongada, a baixa umidade relativa do ar e a grande quantidade de pessoas que insistem em usar o fogo para fazer a limpeza de terrenos baldios ou de áreas usadas para o cultivo. ?Antes de qualquer coisa, temos que deixar claro que a cobertura vegetal precisa ser preservada. Em segundo lugar, o fato de o fogo se alastrar com uma velocidade muito maior em tempo de estiagem é um risco que precisa ser levado em consideração?, explicou. Ele lembra que, para limpar terrenos, deve-se acionar a prefeitura e que as queimadas de áreas de plantação estão proibidas.

Além do dano ambiental que inclui a fauna e a flora, do prejuízo para a qualidade do ar, há risco para as redes elétricas, para as edificações e de acidentes de trânsito, tanto nas cidades quanto nas rodovias. O tenente disse que a previsão da meteorologia é de pancadas de chuvas isoladas e que, em relação aos incêndios, este tipo de precipitação apenas reduz temporariamente o risco.

Placas 

O alerta total e de risco extremo pode ser observado por motoristas que cruzam as estradas do Paraná, por exemplo. Pinheiro explicou que as proximidades dos postos policiais há painéis que se assemelham a um relógio e que mostram, desde o risco nulo de incêndios florestais, indicado na cor verde, até o risco extremo, na cor vermelha. ?Essas placas são atualizadas com a última leitura feita por satélite. É preciso que as pessoas prestem atenção nelas. É o momento do motorista colaborar, ajudando as autoridades?, disse o tenente. Segundo ele, nenhum cidadão pode se isentar de colaborar.

A colaboração pode se dar de várias formas, como informar os funcionários das praças de pedágio das rodovias pedagiadas, avisar pelo rádio de comunicação dos caminhoneiros ou ligar para os telefones do Corpo de Bombeiros (193), da Polícia Militar Rodoviária (198), da Polícia Militar (190) ou da Força Verde (0800-6430304). ?Quando mais rápido a gente souber e mais rápido for dada a resposta, melhor para a sociedade?, alertou Pinheiro. Porém, não é preciso esperar apenas pela resposta das autoridades. ?Se a pessoa tiver condições de conter o incêndio pode ajudar. Não precisa esperar o fogo se alastrar?, pediu.

Prevenção

Pinheiro explicou que o sistema de defesa civil paranaense inclui o Comitê Mata Viva. Esse órgão é composto por instituições como o Corpo de Bombeiros, Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e Recursos Naturais Renováveis (Ibama), Instituto Ambiental do Paraná (IAP), Eletrosul, Copel e Polícia Militar. O objetivo é atuar de forma preventiva. Criado em 1998, o comitê atua a partir de reuniões periódicas para dar resposta mais adequada se e quando houver emergência ou necessidade. ?Pela primeira vez, estamos interiorizando o trabalho preventivo que já realizamos em nível estadual?, comentou.

Recomendações da Defesa Civil

– Não colocar fogo em nenhum tipo de vegetação (em área urbana ou rural)
– Não jogar pontas de cigarro 
– Difundir as informações sobre o risco de queimadas para todas as pessoas envolvidas ou não com agricultura
– Orientar quanto aos prejuízos que incêndios trazem para o meio ambiente

Telefones Úteis:

Corpo de Bombeiros ? 193
Força Verde ?  0800 643 0304
Polícia Militar ? 190
Polícia Militar Rodoviária ? 198