O presidente em exercício, José Alencar, informou que vai encaminhar ao Congresso Nacional projeto de lei para que as famílias dos três fiscais do Ministério do Trabalho assassinados ontem, durante inspeção de rotina em fazendas no município de Unaí (MG), recebam pensão integral do governo. Segundo Alencar, o governo quer garantir a pensão integral às famílias uma vez que a legislação assegura apenas 80% dos salários. “É um pedido de indenização com base na lei. Tudo que a lei permitir vamos fazer para tentar minimizar o sofrimento das famílias”, disse.

Alencar esteve hoje em Belo Horizonte participando do velório dos fiscais. Ele disse não ter detalhes sobre as investigações do caso, que estão sendo conduzidas por uma força-tarefa do governo integrada por membros do Ministério Público, Polícias Federal, Civil, Militar, e pelos Ministérios da Justiça e do Trabalho. “Estão todos empenhados em realizar investigações rigorosas”, garantiu.

O presidente em exercício, que é mineiro da cidade de Ubá, disse que a região de Unaí nunca foi marcada pela violência. O crime, segundo ele, chocou a cidade. “Foi um golpe brutal. Precisamos compreender que foi um tragédia que se abateu sobre Minas Gerais e sobre o Brasil”, afirmou.

Os fiscais Nelson José da Silva, João Batista Soares Lages, Eratóstenes de Almeida Gonçalves e o motorista Ailton Pereira de Oliveira foram mortos a tiros ontem (28) de manhã e, segundo a Secretaria Especial de Direitos Humanos do Ministério da Justiça, não há ligação entre o crime e a ocorrência de trabalho escravo na região.