O padrão brasileiro de TV Digital deverá ser definido até o início do ano que vem, quando o presidente Luiz Inácio Lula da Silva recebe o projeto elaborado por 106 instituições que estudam um sistema adaptado às condições sociais e tecnológicas do país, estima a Casa Civil da Presidência da República.

O grupo técnico, formado por 505 mestres e doutores, de universidades e centros de pesquisa, trabalha em rede desde novembro de 2003 e entregará seu relatório final até fevereiro de 2006.

Segundo o assessor especial da Casa Civil André Barbosa, o Sistema Brasileiro de TV Digital primará pelo acesso universal, ou seja, adotará padrões já existentes que permitam transmissão, transporte e compressão de dados, e que possam ser captados por um simples aparelho de TV de 14 polegadas, com uma antena interna, por exemplo.

"Nossa intenção é permitir a inclusão social. Hoje 90% dos domicílios têm TV aberta. São 47 milhões de domicílios e só 3,6 milhões têm acesso à TV cabo. O que significa que a TV fechada não chega a todos os lares porque as pessoas não têm dinheiro", avalia Barbosa.

Ele explica que o objetivo é que, no Brasil, o aparelho que possibilite que uma TV analógica receba o sinal digital custe, no máximo, R$ 30. Seria uma espécie de conversor, um terminal de acesso que traduza as informações passadas da casa do telespectador para o radiotransmissor.

Barbosa prevê que a TV digital brasileira permitirá operações como teleconferências, consultas médicas e escolha da programação desejada por meio do controle remoto. "A TV digital vai permitir a interatividade, vai permitir que o telespectador participe da programação e que ele possa construir a informação que ele pretende", explica ele.