O Ministério das Relações Exteriores confirmou hoje a prisão de 32 brasileiros pelo Serviço de Imigração e Naturalização (INS) dos Estados Unidos, ocorrida na manhã de terça-feira(17) na região de Cap Cod, entre as cidades de Nova York e Boston. O INS encaminhou os detidos a dois presídios locais e justificou ao Consulado-geral do Brasil em Boston que todos permaneciam em situação irregular no país. Ou seja, haviam recebido ordem de sair do país ou já tinham tido a deportação decretada.

Embora a operação do INS tenha se concentrado na identificação e prisão de brasileiros, até o momento o Itamaraty não encontrou indícios de conotação política ou de relação com medidas de segurança adotadas depois dos atentados terroristas de setembro de 2001. O consulado não divulgou a lista com os nomes dos detidos, com a alegação de proteção à privacidade. Mas fontes da diplomacia asseguraram que a maioria não tem origem árabe.

Por enquanto, a diplomacia brasileira tomou as medidas iniciais de amparo aos detidos e de atendimento a seus familiares e entrou em contato com organizações não-governamentais (ongs) locais de apoio a imigrantes. Conforme informou a assessoria de Comunicação Social do Itamaraty, o consulado iniciou um trabalho de revisão da situação legal de cada um dos detidos. Também solicitou à ONG Massachusetts Immigrant and Refugee Coalition (Mira) a realização de palestras para explicar aos detidos os aspectos jurídicos dos procedimentos de imigração e de repatriação adotados pelos Estados Unidos.

Nos últimos dois dias, o cônsul-geral do Brasil em Boston, embaixador Maurício Cortes, visitou a Bristol County Jail, em Dartmouh, onde estão 23 dos brasileiros presos, e a Plymouth Correctional Facility, em Plymouth, onde estão outros nove. Seu objetivo inicial foi verificar as condições de detenção e analisar os casos que requerem tratamento específico.

Conforme nota do Itamaraty, os brasileiros que preferirem não recorrer à justiça americana e regressar rapidamente ao Brasil, terão seus nomes transmitidos pelo consulado ao INS, com uma solicitação para que seus processos sejam apressados para reduzir o tempo de prisão. Os brasileiros detidos que insistam em permanecer nos Estados Unidos poderão entrar com recurso legal – mas continuarão na prisão até a decisão final. O consulado se dispõe a atender os familiares por meio do telefone 00xx1617-542-4004.