O ministro interino da Educação, Fernando Haddad, admitiu hoje que os recursos previstos para o custeio das instituições federais de ensino superior, em 2004, estão aquém do necessário. Haddad ressaltou também que o Ministério da Educação (MEC) estará trabalhando para reverter essa realidade.

“Entendemos que o orçamento de 2004 é insuficiente para que as instituições cheguem ao final do ano sem acumular novas dívidas. A bola está conosco e teremos que estender a mão?, afirmou o ministro durante a solenidade de posse do reitor da Universidade Federal de Lavras (MG), professor Antônio Nazareno.

Atualmente, as 54 universidades federais do país possuem cerca de R$ 654 milhões para despesas com pessoal, manutenção de equipamentos e laboratórios. Desse total, R$ 54 milhões fazem parte de uma emenda articulada pela Associação Nacional dos Dirigentes das Instituições Federais de Ensino Superior (Andifes) com parlamentares, para aliviar as contas das universidades.

Haddad disse, ainda, que o MEC precisa resolver a crise para garantir a realização das medidas propostas pela Reforma Universitária, que será entregue ao Congresso Nacional em novembro. ?Estamos tentando encontrar uma saída, no sentido de tornar factível o processo da Reforma Universitária?, explicou o ministro interino.