O volume de vendas de veículos e motos, partes e peças subiu 30,4% em novembro de 2010, ante o mesmo mês de 2009, no comércio varejista, informou hoje o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Para o economista da Coordenação de Serviços e Comércio do instituto, Nilo Lopes Macedo, o segmento apresentou, ao longo de 2010, demanda aquecida no mercado interno, beneficiado por uma facilidade na oferta de crédito no País. A compra de produtos no segmento, historicamente, é muito dependente da oferta de crédito, já que os itens são de maior valor agregado.

Macedo foi além e observou que, além da trajetória de crescimento no volume de financiamentos, o acesso ao crédito tem apresentado uma melhora significativa com o passar dos anos. “Hoje temos um crédito mais farto e menos restritivo do que no passado. Não só o volume do crédito aumentou, as facilidades de acesso ao crédito também aumentaram”, disse. “Ou seja, temos uma quantidade maior de pessoas com acesso ao crédito do que tivemos no passado”, resumiu.

Macedo lembrou que, com a melhora na massa salarial em 2010, ocorreu uma gradativa “passagem” de pessoas de classes de renda mais baixas para faixas de renda mais elevadas. Na avaliação do técnico, isso permite o acesso à compra de produtos de bens duráveis de maior valor, como carros e motos.