O ministro de Finanças da Alemanha, Wolfgang Schaeuble, acusou os Estados da federação de enviar “um sinal estranho para a Europa” após terem bloqueado na semana passada a ratificação do pacto fiscal, uma peça-chave da legislação europeia. “Os Estados devem responder por isso, aqueles que votaram contra o pacto fiscal e contra todos os acordos e interesses alemães”, afirmou Schaeuble, em entrevista publicada neste domingo pelo jornal Frankfurter Allgemeine Sonntagszeitung.

Em 1º de março, uma das casas do parlamento alemão, Bundesrat (Conselho Federal), controlada pela oposição, obstruiu a ratificação de regras sobre a implementação do pacto fiscal da União Europeia, em uma disputa sobre financiamento regional e austeridade nos Estados. O projeto de lei seguiu para uma comissão de arbitragem.

Embora o atraso não desfaça a ratificação alemã do pacto fiscal, que busca aumentar o esforço de disciplina orçamentária nos 17 países que usam o euro, representa um constrangimento para o governo da chanceler alemã Angela Merkel, que perdeu o controle do Bundesrat após eleições na Baixa Saxônia, em janeiro.

O governo de Merkel instou os partidos de oposição Social-Democrata e Verde, que controlam a casa, a desistir da oposição ao projeto. De acordo Schaeuble, a transformação do projeto em lei nacional “não é realmente urgente”, mas os acordos do pacto exigem que esse movimento ocorra até o fim do ano. As informações são da Dow Jones.