A Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA) está preocupada com o processo de reavaliação do uso de substâncias componentes em agrotóxicos. Desde o ano passado, 14 dessas substâncias estão sendo analisadas pelo governo e uma, a cihexatina, já foi proibida no mercado.

De acordo com a CNA, se três desses ingredientes ativos (endossulfam, acefato e methamidophos) passarem a ser proibidos, o custo do produtor agrícola com defensivos pode subir até 200% por componente.