Rebeldes iraquianos xiitas incendiaram um poço de petróleo próximo à cidade de Amara, no sul do Iraque, de acordo com um porta-voz do governo interino do país. “O poço, em um campo próximo à cidade de Amara, foi atingido ontem (anteontem)”, segundo o porta-voz. Ele informou que o fogo ainda não foi extinto.

O barril do petróleo cru para setembro estava em ligeira queda de 0,49%, ontem no meio da tarde, cotado a US$ 46,35, em Nova York. Pela manhã, antes de ser conhecido o resultado que indicava a vitória do presidente da Venezuela, Hugo Chávez, no plebiscito realizado ontem no país, o barril do cru havia registrado novo patamar recorde, de US$ 46,91.

O barril do petróleo Brent também atingiu preço recorde, US$ 44,11, sendo a primeira vez na história que o barril do Brent ultrapassa a casa dos US$ 44.

O ataque a um único poço representa uma perda mínima para a produção do país, mas acentua os temores de que a infra-estrutura de produção – instalações, refinarias, oleodutos, portos etc. – venha a ser alvo do Exército Mehdi, liderado pelo clérigo Moqtada al-Sadr.

Os ataques de Al-Sadr se intensificaram com o cerco das tropas americanas à cidade sagrada de Najaf, onde se esconde o Exército Mehdi. O governo iraquiano foi forçado na semana passada a fechar o oleoduto que se comunica com o terminal exportador no sul do país. A produção do país caiu pela metade na segunda-feira da semana passada, quando se intensificou o cerco americano a Najaf.

O oleoduto atacado na semana passada tem capacidade para transportar 1,5 milhão de barris por dia. Depois dos reparos, passou a levar cerca de 900 mil barris por dia, antes de ser fechado em razão das ameaças dos rebeldes liderados por Al-Sadr.

O abastecimento de gasolina e outros derivados de petróleo tem sido afetado inclusive no próprio Iraque, particularmente em Bagdá.