A diretora de Gás e Energia da Petrobras, Maria das Graças Foster, creditou a redução de 14,3% sobre o reajuste no preço do gás natural, válido a partir de 1º de agosto, divulgada ontem pela estatal, à necessidade de “manter a competitividade” do produto “frente a outros energéticos”. “O gás natural é uma opção do consumidor”, disse ela, acrescentado que “compete com água, vento e outros combustíveis líquidos”.

A executiva afirmou também considerar “fundamental manter o interesse dos consumidores e distribuidores pelo gás natural”, de forma que “todos sejam beneficiados pelo desconto”, disse a diretora, hoje, na solenidade de posse de dois novos diretores da Agência Nacional do Petróleo (ANP).

Pelo segundo trimestre consecutivo, a Petrobras decidiu não alterar o preço do gás natural de origem nacional vendido às distribuidoras, mantendo o preço em R$ 0,69 por metro cúbico.