A desaceleração do IGP-10 para alta de 0,42% em janeiro, ante avanço de 0,98% em dezembro, reflete a o desempenho dos preços ao produtor, que passaram de 1,17% para 0,21% na mesma base de comparação, avalia o Bradesco em relatório assinado pelo economista Octavio de Barros e enviado a clientes. Para fevereiro, o banco espera aceleração do índice, sem informar a projeção exata.

A instituição financeira destaca que a “descompressão” dos preços ao produtor ocorreu especialmente nos produtos agropecuários, que saíram de uma alta de 2,20% para 0,76% entre dezembro do ano passado e janeiro de 2015. “Destaque para a desaceleração dos preços de soja em grão, laranja e bovinos”, ressalta o banco, que esperava alta de 0,45% para o IGP-10 no primeiro mês do ano.

Com relação aos preços industriais, o Bradesco destaca que a estabilidade em janeiro, após alta de 0,78% em dezembro, foi favorecida pela “dissipação do reajuste do diesel”. Os preços aos consumidores, por sua vez, aceleraram de 0,72% para 1,05%. “Para a próxima leitura do IGP, esperamos aceleração do índice, diante da maior pressão de preços agrícolas e aos consumidores”, diz o banco.