Os acionistas da Vale do Rio Doce vão receber, no dia 31 de outubro, US$ 0,87 por ação, o equivalente hoje a R$ 2,041, como parte dos lucros da companhia. Entre eles, os cerca de 600 mil trabalhadores que compraram ações, em 2002, com recursos do FGTS (Fundo de Garantia do Tempo de Serviço). Na quinta-feira a empresa anunciou lucro de R$ 5,1 bilhões no primeiro semestre deste ano, maior da história.

Para este ano, está previsto o pagamento de US$ 1 bilhão na forma de dividendos dos lucros, a serem pagos em duas parcelas. A primeira parte do pagamento foi feita em abril, e distribuiu o equivalente a R$ 1,279 bilhão, valor resultante da conversão para reais de US$ 0,435 por ação.

O pagamento da próxima parte será feito em 31 de outubro e corresponderá à cotação do dólar do dia 14 de outubro, data prevista para a reunião de diretoria que aprovará a proposta da segunda parcela.

A valorização das ações da Vale na Bolsa de Valores mostrou que o investimento valeu a pena. De 2002, quando as ações foram oferecidas aos trabalhadores, até anteontem, as ações acumulavam valorização superior a 352,04%.

Nos últimos 12 meses, as ações da mineradora registraram valorização de 52,68%. Apenas nesses dez primeiros dias de agosto, a alta acumulada já está em 4,47%

Além dos ganhos de mercado, com a valorização das ações em bolsa, os acionistas da Vale, inclusive os que usaram o FGTS, garantem a remuneração de seus investimentos por meio dos dividendos. O valor fechado para este ano, em U$ 1 bilhão, foi definido antes mesmo do lucro anunciado do semestre e independentemente dos valores lucrados.