O 18º Leilão de Ajuste, promovido nesta quinta-feira, 15, pela Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel), foi concluído com preço médio da energia negociada em R$ 386,67 por megawatt-hora (MWh) e 2.105 MW médios contratados.

O certame foi composto por ofertas de fornecimento de três e seis meses, durou quase três horas e terminou com preços negociados próximos ao teto de R$ 388,48/MWh estabelecido pela agência reguladora. Os preços oscilaram entre R$ 318,08/MWh e R$ 388,48/MWh.

Os valores mais elevados, como já era esperado, ficaram por conta dos contratos de seis meses. O mais alto, de R$ 388,48/MWh, limitado pelo teto autorizado pela Aneel, foi registrado na região Nordeste. Na região Sudeste/Centro-Oeste, o preço estabelecido ficou em R$ 388,18/Mwh. Para a região Sul, foi de R$ 385,87/MWh. Na região Norte, cujo preço limite era mais baixo em função da expectativa de menor demanda, o valor médio dos contratos de seis meses ficou em R$ 318,08/MWh.

No caso dos contratos com três meses de duração, os valores foram um pouco menores. O preço mais elevado, neste caso, ficou na região Sul, com valor médio de R$ 387,66/MWh. No Sudeste/Centro-Oeste, ficou em R$ 386,70/MWh. A região Nordeste não recebeu propostas. Já na região Norte, o valor ficou estabelecido em R$ 357,48/MWh.

Foram negociados 2.105 MW médios, ou 8,554 milhões de MWh no período de fornecimento – de janeiro a março ou de janeiro a junho. Os contratos a serem formalizados a partir do resultado do leilão devem movimentar R$ 8,939 bilhões, conforme dados da página eletrônica da Câmara de Comercialização de Energia Elétrica (CCEE), responsável pela operacionalização do certame.