O dólar em baixa e a queda dos preços das commodities no mercado internacional contribuíram para os três maiores impactos negativos na variação de -0,66% do Índice de Preços ao Produtor (IPP) em junho ante maio, segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Os itens com maior influência em junho foram alimentos (-0,27 ponto porcentual), metalurgia (-0,16 p.p.) e equipamentos de informática, produtos eletrônicos e ópticos (-0,13 p.p.).

“Eu não saberia responder se o dólar baixo é bom. O que eu posso ver é que dado esse cenário, de queda do dólar, você tem alguns preços que vão cair em determinados setores”, disse Cristiano Santos, técnico do IPP na Coordenação de Indústria do IBGE. “No caso, por exemplo, do aço, isso é notório. Entrando alguns produtos da cadeia do aço, por exemplo, você vai ter preços menores aqui no Brasil”.

O IPP mede a evolução dos preços de produtos “na porta de fábrica”, sem impostos e fretes, de 23 setores da indústria de transformação.

Eletrônicos

A concorrência com produtos importados ajudou a puxar a queda de 3,80% nos preços de equipamentos de informática, produtos eletrônicos e ópticos em junho ante maio, medida pelo IPP, divulgado hoje pelo IBGE. Com o resultado, o setor acumulou um recuo de 9,42% em 2011. Em 12 meses, a queda foi de 16,04%.

“Você vai ter uma queda nos preços dos produtos de informática, principalmente esses ligados ao consumidor, por conta da concorrência de produtos externos. Então, os produtos ofertados pelos produtores locais vão acabar tendo uma queda”, disse Cristiano Santos, técnico do IPP no IBGE.

Na comparação com maio, o setor apareceu como a atividade que apresentou a maior variação de preços e a terceira maior influência mensal, -0,13 ponto porcentual na queda de 0,66% do IPP. Outra razão para o recuo nos preços é a desvalorização do dólar ante o real, segundo Santos.

Os produtos com as maiores influências negativas no índice mensal foram telefones celulares, televisores, componentes eletrônicos, e impressoras, incluindo multifuncionais, enquanto os componentes eletrônicos tiveram sinal positivo.

Veículos

Os preços dos veículos automotores registraram queda de 0,16% em junho ante maio, no IPP, segundo o IBGE. No acumulado do ano, a variação foi de 0,16%. Em 12 meses, houve leve queda de 0,02%.

O produto que mais influenciou o índice em junho foi automóvel para passageiros, a gasolina, álcool ou bicombustível, de qualquer potência.

“O setor de veículos é muito importante no IPP, mas ele não teve uma grande variação, então ele segura uma queda que poderia ter sido maior por conta de alimentos e metalurgia e outros equipamentos de informática”, avaliou Cristiano Santos.