O Palácio do Planalto está empenhado em evitar uma greve geral dos petroleiros. O ministro-chefe da Secretaria-Geral da República, Gilberto Carvalho, disse ontem que há um “esforço enorme” para evitar a paralisação. Carvalho reconheceu que uma greve envolvendo a Petrobras seria “muito negativa” para o governo. Segundo ele, neste momento, a estatal está negociando com a Federação Única dos Petroleiros (FUP) e outras entidades, e a expectativa é de que se possa evitar a greve.

Ele explicou que a sua participação nesse episódio se deve ao fato de ser “papel da Secretaria-Geral da Presidência” sempre receber os movimentos e discutir com eles. Carvalho lembrou que a FUP fez contato com a Secretaria-Geral e que a iniciativa foi abrir negociação para evitar que haja greve. A Federação Única dos Petroleiros mantém a convocação de greve. Na página da FUP na internet, a informação é de que os sindicatos intensificaram as paralisações de surpresa, no que foi denominado de “Operação Gabrielli”, movimento que, segundo os petroleiros, denuncia irregularidades no sistema de segurança, meio ambiente e saúde ocupacional (SMS) da empresa. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.