O presidente da Petrobras, José Sergio Gabrielli, afirmou hoje que a decisão sobre as 21 sondas de águas ultraprofundas será tomada durante a reunião de diretoria de amanhã. Em coletiva de imprensa, Gabrielli também defendeu a postura do governador Jaques Wagner em relação aos problemas de segurança do estado, levando ao limite a capacidade de negociação e respeitando o direito de greve. “A democracia é o império da lei, e exige comportamentos adequados”, disse.

Gabrielli, que deixa a presidência na próxima segunda-feira, afirmou que ainda não sabe que cargo ocupará no governo de Jaques Wagner, no estado da Bahia. Ele não descarta a candidatura à sucessão no governo em 2014, mas disse que a decisão não será tomada agora. “A candidatura é um processo que vai acontecer em 2014. Em 2012 (quando serão realizadas eleições locais), não sou candidato”, disse.

Gabrielli disse não ser difícil para ele, pessoalmente, deixar a estatal depois de quase sete anos na presidência. Segundo ele, há gente que deixa a Petrobras por diferentes motivos, incluindo para avançar na carreira e ganhar dinheiro ou para aproveitar a vida. No caso de Gabrielli, a decisão, disse, foi por coerência de vida. “Acho que posso colaborar com o governo do meu estado”, afirmou, o que segundo ele, é tão honroso quanto ter contribuído na Petrobras.