O Fundo Monetário Internacional (FMI) descartou o presidente do Banco Central de Israel, Stanley Fischer, como candidato para o cargo de diretor-gerente da instituição. O FMI informou que vai considerar apenas os outros dois candidatos declarados, a ministra de Finanças da França, Christine Lagarde, e o presidente do Banco Central do México, Agustín Carstens.

“O Conselho Executivo vai se encontrar com os candidatos em Washington e, depois disso, se reunirá para discutir as qualidades dos candidatos e fazer uma seleção”, afirmou o FMI em um comunicado publicado na noite de ontem. “O objetivo é concluir o processo de seleção para o próximo diretor-gerente até 30 de junho de 2011”, acrescentou.

O comunicado, que não menciona Fischer, citou “os estatutos aplicáveis do FMI” como critério. A autoridade israelense, de 67 anos, tem dois anos acima da idade limite para um diretor-gerente em primeiro mandato. O prazo para inscrição de candidaturas terminou na sexta-feira.

Em um comunicado publicado no site do Banco de Israel hoje, Fischer afirmou que não lamenta ter apresentado sua candidatura. “Eu lamento sim o fato de eu não ter recebido a oportunidade de demonstrar minhas capacidades e minha experiência para o Conselho de Diretores do FMI”, afirmou.

Lagarde é considerada a líder na corrida para substituir Dominique Strauss-Kahn, que renunciou após ser acusado de agressão sexual em Nova York. Carstens declarou ontem que suas chances são pequenas. As informações são da Dow Jones.