Com mais dias úteis em relação aos demais meses, o financiamento de veículos no Brasil aumentou 24,7% no mês de março sobre fevereiro e 7,7% na comparação com março de 2014. Os números são da Unidade de Financiamentos da Cetip e levam em consideração automóveis de passeio, comerciais leves, motocicletas e pesados. No acumulado do primeiro trimestre, contudo, o número de financiamentos acumula queda de 8,6% em relação a igual período de 2014.

No mês passado, foram financiados 497.622 veículos no País. Desse total, os veículos usados somaram 269.264 financiamentos e os novos, 228.358. Com o resultado, o financiamento apenas de veículos zero-quilômetro caiu 0,1% em março ante um ano atrás, embora tenha aumentado 32,2% na variação mensal, acumulando retração de 16,1% no ano. Já o de usados cresceu tanto em março ante fevereiro (19%) quanto na comparação anual (15,2%), mas ainda acumula baixa de 1,4% no trimestre.

O aumento dos financiamentos em março é explicado, em parte, pelo maior número de dias úteis. No mês passado, foram 22 dias de vendas, ante 18 dias tanto em fevereiro quanto em março de 2014, meses em que caiu o carnaval.

Para analistas do setor, a queda no trimestre, contudo, comprova que a baixa confiança do consumidor, os juros mais altos e o acesso mais restrito ao crédito têm afetado o setor. Na visão de especialistas os dados também mostram que a legislação que facilita a retomada do bem, em vigor desde novembro, ainda não surtiu o efeito esperado.

“As principais razões para essa desaceleração são o desaquecimento da economia e o baixo índice de confiança do consumidor, que atingiu em março o menor nível histórico”, avaliou o gerente de Relações Institucionais da Unidade de Financiamentos da Cetip, Marcus Lavorato, em nota.

Pior desempenho

Nos três primeiros meses do ano, o segmento de pesados, que inclui caminhões e ônibus, apresenta o pior desempenho. Entre novos e usados, os financiamentos acumulam queda de 28,4%. Em março, foram financiados 18.498 unidades, avanço de 38,6% em relação a fevereiro, mas recuo de 12,7% frente um ano atrás. Os financiamentos de motos, por sua vez, apresentam o segundo pior desempenho, ao acumular queda de 8,5% nos três primeiros meses de 2015.

Em março, foram financiadas 96.205 motos novas e usadas, aumento de 35% na comparação com fevereiro e avanço de 12,6% frente um ano atrás. Já o segmento de autos e leves acumula queda de 7,3% nos financiamentos no primeiro trimestre de 2015. No terceiro mês do ano, foram financiados 381.937 unidades, o equivalente a alta de 21,9% na comparação com fevereiro e crescimento de 8% em relação a março do ano passado.

Modalidades

Dentre as modalidades de financiamento, o leasing tem o pior desempenho no acumulado do ano. De janeiro a março, acumula queda de 16,1%, mesmo após crescer 47,4% em março ante fevereiro e ficar estável na comparação com o mesmo mês do ano passado. O Crédito Direto ao Consumidor (CDC), por sua vez, caiu 9,8% no primeiro trimestre, a despeito de avançar 21,7% em março na variação mensal e 5,5% na comparação anual.

Apesar da queda, o CDC continua sendo a modalidade mais utilizada na hora de financiar a compra de um veículo. Em seguida, aparece o consórcio, única modalidade a acumular alta no primeiro trimestre, de 0,6%, depois de subir 40% em março ante fevereiro e 20,7% frente um ano atrás. Os dados consideram as cotas de consórcio contempladas, mas não quitadas. O leasing é a terceira mais utilizada.