Brasília – A taxa de desemprego nas seis maiores regiões metropolitanas do País ficou estável em novembro, na comparação com outubro, contrariando as expectativas de recuo por conta das contratações de final de ano. A estabilidade interrompeu uma trajetória de dois meses consecutivos de queda no desemprego. O crescimento abaixo das expectativas das contratações no comércio foi o principal fator a justificar a manutenção da taxa.

Segundo dados divulgados ontem pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), o desemprego ficou em 10,6% da PEA (População Economicamente Ativa) no mês passado. Em outubro, a taxa havia ficado em 10,5%.

Também ontem, pesquisa da Fundação Seade/Dieese, que segue uma outra metodologia, mostrou que o ritmo da geração de novos postos de trabalho já começa a dar sinais de desaceleração na Grande São Paulo, apesar de a taxa ter recuado em novembro pelo sétimo mês consecutivo e ficado em 17,4% da PEA.

Em novembro, a pesquisa do IBGE detectou que o comércio absorveu 85 mil trabalhadores, um aumento de 2,3%, considerado estatisticamente estável em razão da margem de erro da pesquisa. Em novembro de 2003, o comércio havia registrado aumento de 2,7% nas contratações. A atividade representa 19,6% da população ocupada.

O IBGE admite que em novembro o comércio já começaria a absorver uma parcela maior da população em busca de trabalho, o que não aconteceu.

Segundo o coordenador da pesquisa, Cimar Pereira, "a nuvem de expectativa com dados favoráveis como o PIB (Produto Interno Bruto) e as vendas no comércio propiciou um aumento no número de pessoas em busca de trabalho". Em novembro, a população desocupada aumentou em 49 mil pessoas, o que representa uma variação de 2,2% -ainda assim considerada estável. Todos os ramos de atividade da pesquisa mostraram estabilidade nas contratações em novembro.

A avaliação dos dados, no entanto, é positiva para o IBGE em razão do aumento do rendimento e do trabalho formal no ano. O número de empregados com carteira assinada cresceu 3,8% em relação a novembro do ano passado. Na comparação com outubro, porém, ficou estável.

Já a renda teve um crescimento de 2,6% em relação a novembro de 2003, mas ficou estável na comparação com outubro, em R$ 904,70.

A expectativa do instituto para o mês de dezembro é de queda na taxa de desemprego com o aumento das contratações no comércio.

O mês de dezembro costuma ser caracterizado pelo crescimento das contratações de empregados temporários e pelo menor número de dias úteis.

Lula anuncia pólo no NE

Brasília – Até o final de 2006, o Nordeste brasileiro vai receber um parque industrial com capacidade para gerar até um milhão de empregos no estado de Pernambuco. O presidente Luiz Inácio Lula da Silva anunciou, ontem, a criação do Pólo de Poliéster do Nordeste, que vai produzir, além da matéria-prima para tecidos, 450 mil toneladas de garrafas pet por ano. O pólo será integrado por quatro fábricas voltadas para o mercado interno e externo, em diferentes localidades, com investimentos que superam R$ 3 bilhões.

O parque industrial será uma parceria do governo de Pernambuco com o governo federal e o grupo italiano Mossi & Ghisolfi, que atua no ramo da produção de garrafas pet. Na opinião de Lula, está na hora de o Nordeste brasileiro receber investimentos que permitam à região competir de igual para igual com outras localidades do País. "Chegou o momento de tirar o Nordeste do atraso em que ficou por décadas. A região precisa ter chance de provar que tem condições de fazer o que qualquer outra região faz", disse Lula. Ele ressaltou que não pode priorizar estados ou regiões, mas admitiu que o Nordeste precisa de novos incentivos para se desenvolver.