O ministro da Fazenda, Guido Mantega, disse nesta terça-feira que a economia brasileira começa a registrar crescimento mais acelerado a partir de maio, o que deve garantir uma expansão maior que a de 2011, embora abaixo dos 4,5% que o governo esperava até recentemente.

“Continuamos trabalhando com a certeza de que a economia vai continuar crescendo. Pode não ser os 4,5% que esperávamos. Esse crescimento começa em maio. Já temos uma resposta mais positiva. As medidas já vão surtindo efeito”, disse.

Mantega afirmou, por exemplo, que a desoneração da folha de pagamentos anunciada em abril só começa a valer em julho.

Ele não se considera otimista, mas também não é da turma do pessimismo. “Em 2008, estourou aquela crise e houve um contágio do pessimismo, que tomou conta do empresariado e do setor financeiro, que travaram a economia. Foi preciso o governo dizer que a coisa não era assim e esse pessimismo se dissipou. As coisas que estamos planejando estão dando certo.”

Mantega afirmou que o otimismo do governo tem sido bem-sucedido no Brasil e que a economia vive também de expectativas. Disse, no entanto, que tempera esse otimismo com realismo e prudência. “Mesmo porque, se as contas não fecharem, eu acabo respondendo por isso.”