São Paulo (AE) – Pesquisa do Programa de Administração do Varejo (Provar) mostrou um aumento no índice total de perdas no varejo em 2005, que passou de 1,68% em 2004 para 1,74% no ano passado. O índice de perdas é obtido dividindo o valor das perdas em pontos de venda a preço de custo pelo valor do faturamento líquido.

De acordo com o coordenador do grupo de prevenção de perdas no varejo do Provar, Marcelo Felippe, o grande responsável pelo aumento foram as perdas com produtos perecíveis, que corresponderam a 56,4% do total de perdas do varejo de supermercados. ?Houve um descontrole com relação aos perecíveis?, avaliou.

O principal motivo das perdas do varejo em 2005 foi o furto interno, com uma representação de 28% do total de perdas, ante 25% registrado em 2004. Em seguida, aparece quebra operacional, com 25%, um aumento na comparação com 2004, quando o índice foi de 24%, e erros administrativos, que representaram 19% em 2005, ante 17% em 2004. Já furtos externos caíram de 22% para 14%.

O estudo do Provar mostrou que 22% das lojas não possuem um departamento de gerenciamento de perdas, e que 53% das perdas não são identificadas. O Provar destacou a importância da avaliação das perdas para poder mensurar seu impacto financeiro para o varejo.

?Atualmente, um dos principais desafios dos varejistas é a identificação das reais causas das perdas?, explicou o coordenador geral do Provar, Claudio Felisoni, para quem um registro periódico e criterioso ajuda na implementação de medidas corretivas apropriadas. ?Somente com esta informação em mãos será possível otimizar recursos humanos e financeiros na prevenção?, acrescentou. Apesar do prognóstico, o índice das perdas identificadas passou de 42% em 2004 para 47% em 2005.