O Bank of America (BofA) concordou em entregar os documentos que detalham os conselhos legais recebidos durante a compra do Merrill Lynch, disseram pessoas com conhecimento do assunto ao “Wall Street Journal”, em uma forte reversão de postura após meses de resistência.

Com a mudança, o banco deve entregar uma série de documentos – incluindo e-mails e memorandos entre o Bank of America e escritórios de advocacia – para autoridades federais, estatais e do Congresso que investigam a compra do Merrill.

Durante depoimentos com o procurador-geral de Nova York Andrew Cuomo e encontros com outros reguladores, autoridades do banco diversas vezes de recusaram a responder perguntas sobre os conselhos legais envolvendo a aquisição do Merrill, citando o privilégio que protege a conversa de clientes com advogados. A nova abordagem legal busca, em parte, abrir o caminho para uma resolução de diversas investigações, afirmaram as fontes.

A intenção também é de amenizar a pressão sobre o banco, que trabalha para restabelecer a estabilidade em meio à saída inesperada do executivo-chefe, Kenneth Lewis, no final deste ano. O conselho votou para abrir mão do privilégio na sexta-feira. Hoje, o banco informou o escritório de Cuomo que havia mudado de posição e estava abrindo mão do privilégio. As informações são da Dow Jones.