Os motoristas que circulam nas proximidades do Parque São Lourenço já perceberam algumas mudanças no trecho. As ruas Mateus Leme, João Gava e Nilo Brandão serão revitalizadas para melhorar a mobilidade e aumentar a segurança dos pedestres. Os ciclistas também serão beneficiados, em um local bem movimentado, que dá acesso a vários bairros da cidade e também para Almirante Tamandaré, na região metropolitana de Curitiba. Projetada pelo Instituto de Pesquisa e Planejamento Urbano de Curitiba (Ippuc), a intervenção no entorno do São Lourenço faz parte do prolongamento do binário Mateus Leme/Nilo Peçanha até a Rodovia dos Minérios.

+Leia mais! Há 45 anos nevou em Curitiba e as fotos são incríveis, mas será que neva esse ano?

As primeiras obras já começaram com a recuperação do pavimento no encontro da Nilo Brandão com a Mateus Leme. Na sequencia, vai ocorrer o alargamento da João Gava, que passará a ter 12 metros de largura na extensão de uma quadra. No projeto do Ippuc, o canteiro hoje que reparte a extensão das ruas será retirado. A Rua Nilo Brandão, na esquina do Parque São Lourenço, terá duas faixas por sentido, possibilitando a ligação direta com a João Gava tanto para quem vai rumo Ópera de Arame, como para quem vem no sentido Centro. Para isto, um semáforo de acionamento por aproximação e tempos dedicados para cada uma das faixas, possibilitará fazer todas as conversões naquele ponto.

+Leia mais! Curitiba tem 92% das UTIs SUS ocupadas e novo recorde com mais 768 casos de coronavírus

Quem seguir pela Mateus Leme no sentido São Lourenço poderá virar à direita na Nilo Brandão a partir de uma faixa exclusiva, seguir em frente em direção ao Abranches ou virar à esquerda na João Gava. Na rota oposta pela Mateus Leme rumo ao centro, poderá dobrar à esquerda para a Nilo Brandão ou à direita na João Gava. Também haverá semáforos para pedestres, faixas e ciclofaixas sinalizadas para a travessia da Mateus Leme para a João Gava e vice-versa.

Pela Nilo Brandão será possível fazer a ligação direta à João Gava ou as conversões à esquerda e à direita na Mateus Leme. Da mesma forma quem vem pela João Gava poderá seguir direto à Nilo Brandão (sem ter que aguardar no remanso como é hoje) ou fazer as conversões à direita ou à esquerda na Mateus Leme.

Guacira Civolani, engenheira de coordenação do sistema viário do Ippuc, explica que o trecho chega a ter em horários de pico de aproximadamente 2.500 veículos/hora no eixo Mateus Leme e 1.000 veículos/hora no eixo João Gava/Nilo Brandão. “O projeto melhora a mobilidade naquele ponto crítico. É um ajuste da estrutura viária e o primeiro passo para a segunda etapa do binário da Mateus Leme”, afirmou a engenheira.