Curitiba é a quarta cidade mais congestionada do Brasil, segundo o Global Traffic Scorecard. O ranking é elaborado pela consultoria INRIX com dados de 200 cidades de todo o mundo. Segundo o levantamento mais recente, de março de 2019, com dados do ano anterior, a velocidade média no Centro da capital paranaense foi de 19 quilômetros por hora (12 milhas/hora). Os curitibanos passaram 104 horas parados no trânsito, equivalente a 4,3 dias.

+ Atenção! Você está a um clique de ficar por dentro do que acontece em Curitiba e Região Metropolitana. Tudo sobre nossa regiãofutebolentretenimento horóscopo, além de blogs exclusivos e os Caçadores de Notícias, com histórias emocionantes e grandes reportagens. Vem com a gente!

Em São Paulo, a cidade mais congestionada do Brasil, os motoristas passaram o equivalente a 154 horas no trânsito (6,4 dias), e a velocidade média no centro foi de apenas 16 km/h (ou 10 milhas/h).

No geral, a posição de Curitiba no ranking das 200 cidades mais congestionadas do mundo é 43ª. Também aparecem no ranking mundial Moscou (1º), Istambul (2º), Bogotá (3º), México (4º) e São Paulo (5º).

Dentre as brasileiras, são listadas também Rio de Janeiro (7º), Belo Horizonte (18º), Brasília (44º), Porto Alegre (48º) e Campo Grande (67º). A empresa usa informações de 300 milhões de fontes diferentes, incluindo dados de vias, transporte público, estacionamento, gasto de combustível, pontos de interesse e outros.

+Leia também: Problema inusitado causa fila enorme de caminhões na BR-277

Frota em crescimento

A Superintendência de Trânsito de Curitiba (Setran) não faz um monitoramento de congestionamento como o da INRIX ou da Companhia de Engenharia de Tráfego (CET) de São Paulo, por exemplo, mas faz uma contagem do fluxo de veículos com base nos radares de velocidade instalados em alguns cruzamentos da cidade. O monitoramento da pasta, porém, não registrou aumento no fluxo, mesmo em um cenário de frota crescente e ampliação do serviço de carros por aplicativo.

Segundo Pedro Darci, diretor de operações do órgão, as reclamações registradas pela prefeitura dizem respeito a problemas pontuais do trânsito, como a inauguração de um novo empreendimento ou obras em determinadas ruas – a não ser pela Linha Verde, que registra crescimento constante de tráfego entre Curitiba e Fazenda Rio Grande.

+Leia também: Bate-boca após acidente termina em morte em Curitiba! Autor do crime fugiu

Em maio de 2019, o número de veículos que passaram pela Brigadeiro Franco com a Comendador Araújo registrou alta de apenas 0,6% ao registrado em maio de 2018. Por outro lado, na Sete de Setembro com o início da José Alencar, após a trincheira, houve queda de 10% no fluxo.

Na região central de Curitiba, porém, o que se vê é estabilidade, relata Darci. “O que aconteceu é que as pessoas mudaram a forma de se locomover. Migraram do carro próprio para o aplicativo, e uma coisa compensou a outra. Além disso, no último ano, bicicletas e patinetes compartilhados também contribuíram para as pessoas mudarem a forma de locomoção”, observa.

Obras perto da Praça Osório podem complicar o trânsito no Centro a partir de segunda