Os ginásios, quadras e campos da Esporte Paraná, instalados no bairro Capão da Imbuia, em Curitiba, serão reabertos neste sábado (08), às 9h. O espaço ficará aberto aos finais de semana para que as escolas e a comunidade em geral possam praticar esportes e outras atividades educacionais. O local fica na Rua Pastor Manoel Virgínio de Souza, 1020.

“Temos quadras de vôlei, pistas de caminhada, campos de futebol e rugby, ginásios de ginástica artística e rítmica e uma estrutura excelente para recreação e outras atividades escolares. Atualmente, a comunidade já utiliza alguns espaços, como as academias ao ar livre e o circuito de corrida e caminhada. Mas queremos maior participação, especialmente das escolas e dos jovens”, explica o diretor-presidente da autarquia, Helio Wirbiski.

+ Fique esperto! Perdeu as últimas notícias sobre segurança, esportes, celebridades e o resumo das novelas? Clique agora e se atualize com a Tribuna do Paraná!

A primeira iniciativa acontecerá já neste sábado a Elite Rede de Ensino, unidades Contemporâneo e Milenium. Será realizada a Copa Elite (competições esportivas, gincanas sustentáveis, reunião de familiares e amigos). Com o slogan “Amar e cuidar de tudo o que é nosso”, os estudantes irão juntar lacres metálicos de latinhas e tampinhas plásticas para reciclagem. Os familiares, amigos, professores e demais funcionários também participarão da ação.

O Elite firmou parceria com o Pequeno Cotolengo e a instituição ficará responsável por vender os materiais recicláveis. O dinheiro das vendas será destinado a compra de cadeiras de rodas. Além disso, o colégio irá arrecadar itens como: desodorante, hidratante de pele, lenço umedecido, leite integral (caixa ou lata), açúcar, café e extrato de tomate para o lar dos idosos do Tarumã. A entrega dos donativos ficará sob a responsabilidade do Governo do Estado do Paraná.

“A preservação ambiental sempre deve ser um tema importante para toda instituição, ainda mais para uma instituição de ensino como o Elite que tem como missão: transformar vidas”, disse Luiz Carlos Souza Filho, diretor do colégio Elite Contemporâneo.

De onde vêm os terremotos de Rio Branco do Sul?