Mesmo sendo preso por estupro e roubo, Valdelino de Souza, de 40 anos, estava em regime semiaberto. Ele fugiu da prisão e voltou a agir. O homem foi preso nesta quinta-feira (11), em Contenda, na Região Metropolitana de Curitiba (RMC), por suspeita de estuprar uma moça de 21 anos no bairro Abranches, em Curitiba.

O crime aconteceu no dia 14 de julho. “Ele abordou a vítima, disse que era um assalto e a levou para um local ermo. Depois de pegar os pertences dela, ele a amarrou e a estuprou”, contou a delegada Sâmia Coser.

Conforme apurou a Delegacia da Mulher, depois do crime, Valdelino fugiu para Colombo (RMC). “Lá, ele foi encontrado pelos nossos investigadores. O policial quase o pegou, mas ele conseguiu escapar”. Moradores que viram a tentativa de abordagem passaram a ajudar com informações. “E foram de extrema importância”.

Foto: Gerson Klaina.
Segundo as investigações divulgadas pela delegada, Valdelino amarrou e estuprou a vítima. Foto: Gerson Klaina.

Valdelino fugiu de novo para Contenda, onde foi encontrado num supermercado, enquanto fazia compras usando o cartão roubado da vítima. Na hora da prisão, o homem usava o mesmo tênis do dia do crime, conforme informou a polícia.

Ao ser detido, Valdelino foi reconhecido pela vítima, que também foi importante para as investigações. “Ela nos procurou imediatamente. Colaborou com as investigações. Nos ajudou com detalhes do que lembrava, não teve medo e viu que não precisava ter vergonha”, explicou a delegada.

Regime semiaberto

Valdelino foi detido depois de roubar e estuprar uma mulher. “Ele ficou preso no regime fechado e depois, talvez pelo entendimento da Justiça, foi considerado que poderia ficar no semiaberto, ou seja, na Colônia Penal Agrícola. Acontece que, ao receber a possibilidade de ir para a rua de dia e voltar à noite ele fugiu e voltou a agir”.

Para a delegada, pelos crimes praticados pelo homem, principalmente o estupro, ele não poderia estar nas ruas.“Nossa lei é muito branda (ineficaz), precisamos rever. No caso deste homem, por exemplo, ele cometeu crimes graves. Não poderia ser solto”, defendeu a delegada.

“Nossa lei é muito branda (ineficaz), precisamos rever. No caso deste homem, por exemplo, ele cometeu crimes graves. Não poderia ser solto”, defendeu a delegada.

Valdelino voltou ao sistema prisional e perde o benefício do semiaberto. A prisão dele, para a polícia, é um alerta para as mulheres que foram vítimas de estupro. “Nós desconfiamos de que existam outras vítimas deste mesmo homem, mas independente de haver ou não, o que nós insistimos em pedir é para que essas mulheres não tenham medo”, explicou Sâmia Coser.

Alerta foi dado

A Delegacia da Mulher tem atendido, nos últimos meses, pelo menos um caso de estupro por semana. “E, nestes casos tão sérios, é importantíssimo que as vítimas nos procurem, colaborem com as investigações e confiem no trabalho da polícia”.

A principal dica que pode ser dada sobre os estupradores, segundo a delegada, é a de que os homens que praticam este tipo de crime não têm rosto. “São aparentemente homens de bem, pais de família, pessoas que podem até transmitir algum tipo de confiança, em alguns casos até têm boa aparência, mas são criminosos e sempre vão repetir os crimes que cometeram”. O telefone da Delegacia da Mulher de Curitiba é o (41) 3219-8600.

Denúncia pode ser feita pelo telefone ou pessoalmente. Foto: Gerson Klaina.
Denúncia pode ser feita pelo telefone ou pessoalmente. Foto: Gerson Klaina.